domingo, julho 22, 2007

Assim...

Bebi muito ontem a noite. Aquela velha e doce ilusão que a bebida afasta alguns problemas por causa de uns quinze minutos de insanidade. Mas quando amanhece, você percebe que aqueles quinze minutos não bastaram pra acabar com uma tristeza que talvez dure por um bom tempo.
Foi bem engraçado ver a sua irritação na sexta dizendo rapidamente porque estava tão mal e porque não estava se sentindo legal com a situação que estávamos enfrentando. Eu tava achando meio grosso da tua parte estragar talvez, o pouco de tempo que a gente teria pra aproveitar antes da decisão quase sábia e certeira de terminarmos.
Mas eu entendi você, é difícil aceitar certas condições que a vida nos impõe. Pode ser que seja pra nos ensinar. Ou não. Pode ser que seja mesmo para brotar lágrimas nos nossos olhos e nos fazer perceber o quanto somos fracos diante de algumas circunstâncias que não podemos controlar.

Apesar de ter te achado assim, tenso.. Queria que acabasse talvez, com algo mais intenso.
Passamos aquele resto de sexta-quase-sábado, abraçados. Comigo passando mal e você preocupado. É mais ou menos assim, a gente até acha engraçado que certos momentos não saiam perfeitos, inclusive porque não devem sair perfeitos.
Foi bom aquele restinho de sexta sentir mais a batida do seu coração no meu peito. Foi legal de tenso, para (in)tenso com um copo quebrado e dois olhares brilhantes. O meu talvez, mais querendo chorar, do que o teu.
Mas é assim mesmo.

E depois, que dê tudo certo.

3 comentários:

Raysla Camelo disse...

Terminar com algo intenso.
É assim que deveria ser, sempre!
A gente tem o péssimo hábito de ver as coisas pelo pior ângulo.
É como quando a gente termina um relacionamento que parecia ser eterno... a gente pensa mais na dor que sentimos que no amor que nos fez tão bem e deixou maravilhosas lembranças.

Beijos, Dani!
E que, depois, dê tudo certo!

Isa Dora disse...

Ah... eu tô tentando enxergar como a Raysla. Tentando. Mas é difícil ver só os momentos bons q se viveu, e saber q daqui pra frente não existirão mais, com aquela pessoa, daquela forma...
Mas eu ainda tô me esforçando. Só quero q o amor me deixe boas lembranças. E não dor.

E como a Ray disse:E que, depois, dê tudo certo!

Beijos Daanihh.

Joceline Gomes disse...

Acho que você conseguiu captar a essência do "pra sempre, sempre acaba". A gente fica idealizando tanto a vida, como as coisas vão começar e terminar, que elas passam e nós não vemos. Foi como tinha que ser. Sem querer parecer determinista, às vezes a gente só precisa se jogar e deixar as coisas acontecerem, conforme nossas atitudes permitem (e não o destino).
Deveria, seria, teria... condicionais. Que não tiveram condições de acontecer. Se não aconteceu, não merece nossa atenção. Até o que aconteceu não merece. Já passou.
Agora é bola pra frente, e depois, que tudo dê certo.
E vai dar Dani. Adorei seu texto.
Beijos.