quinta-feira, outubro 25, 2007

Me dá um tempo?

Quisera eu por um diazinho aprender o valor de todas as coisas, mesmo as impagáveis. Daria ao valor do sorriso, o preço de outro sorriso. Ao beijo, o preço do desejo de querer mais e o apreço de gozar de suas sensações. Ao amigo, o preço da companhia. Ao tempo... Ah, o tempo. Para o tempo o preço de não deixar de acreditar, o preço do aprendizado, o preço da paciência. Talvez os preços mais caros que pagamos por confiar.

Para o presente tempo, o preço de viver.
Para o passado, o preço de se arrepender e na melhor das hipóteses lembrar com saudosismo de tempos que não voltam mais.
Para o futuro o preço mais caro da paciência e da certeza do fim. Fim do tempo, fim do saudosismo, da vida, da esperança e do arrependimento.

Olhemos para o futuro como mais um dos frutos que plantamos na esperança de colher num TEMPO. O tal do tempo o tempo certo... O tempo.
Me dá um tempo, vai?

Um comentário:

Isa Mozzer disse...

Quando a gente pede tempo é sinal de estarmos cansadas...