sexta-feira, novembro 26, 2010

Os verdadeiros culpados, por Pedro Couto

Depois do texto que escrevi ontem, achei salutar abrir essa questão para um debate aqui no meu Blog mesmo. Primeiro porquê, eu acho, pessoalmente que isso não é lugar para pôr a culpa em um ou em outro. Segundo, por que eu gosto de ouvir e entender visões opostas sobre o caso. Decidi procurar um amigo, o Pedro (um cara super inteligente e bem legal de bater um papo) para falar sobre o assunto. Visivelmente a favor de descriminalizar as drogas mais usadas e a favor, também, do maior letramento da população e da descentralização elitista do poder. Acompanhem as belas palavras de Pedro, um ex-estudante de Filosofia da Universidade Federal de Goiás:

----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

É muito fácil colocar a culpa naqueles que aparecem para sociedade defendendo uma coisa que ainda é ilegal por motivos proibicionistas sem base ou estudo prévio sobre objeto ilegal. Eles gritam, eu grito e mesmo assim a mídia e o mundo escutam e entendem o que querem, vêem um inferno acontecer no Rio de Janeira, uma verdadeira guerra civil, vêem o governo falando para a população agüentar firme e apoiar o governo, mesmo que enquanto toda essa ação acontece quem morre são os inocentes que nada têm a ver com toda essa situação que o próprio governo criou, ninguém viu um filho ou parente qualquer que seja de um político morrer por causa dessa operação.

Após cinco dias da operação, e com a apreensão de toneladas de maconha, a mídia deixou bem clara a sua posição sobre o assunto, jogando a culpa da necessidade dessa postura militarista nos usuários de maconha que tanto pedem para que se legalize o plantio e consumo privado para enfim conseguirem se soltar das amarras do tráfico. Me pergunto onde está o livre-arbítrio de escolher se quero ou não me prejudicar, se quero ou não fazer mal para mim, eu cidadão que pago meus impostos e vejo em um baseado a possibilidade de relaxar depois do meu dia, me questiono qual a diferença entre um usuário de maconha que ao final de seu dia senta-se em seu sofá liga a televisão e assisti ao noticiário do bebedor de cerveja que faz o mesmo.

Depois de anos de descaso governamental em relação às favelas do Rio, o governo decide tomar uma medida drástica, como uma mãe que chega na casa de um filho universitário e vê aquela bagunça que vai demorar um dia inteiro para arrumar e ainda irá encontra uma ou duas pontas de baseados que seu mesmo filho andou fumando. Ele, o governo, diferente da mãe, usa da força bruta para consertar o que ele mesmo fez, o que talvez não tivesse acontecido se antes mesmo de toda essa situação dentro das favelas do Rio tivesse, água encanada, saneamento básico, escolas decentes, se antes de tudo que aconteceu até hoje em dia, se não tivessem transformado essas favelas em um local propicio para pessoas que já esquecidas pelo governo e marginalizadas pela sociedade tiverem livre acesso a produtos marginalizados como eles.

E o descaso foi tão grande que se formou um poder paralelo que proporcionava cestas básicas, segurança, TV a cabo, entre vários outros itens que por muito tempo o governo negou. Depois da consolidação de praticamente uma política, um sistema em funcionamento, o governo se sentindo ameaçado, afinal o poder é o estado e não pode existir outro (a não ser o poder elitista que rege o país, né?) que foram tomadas medidas. De uns anos para cá se viu abertamente que por várias vezes foi tentada a retomada dessas favelas, todas fracassadas. Agora com mais essa tentativa e com grande índice de êxito, me pergunto se vai realmente mudar. Se vão saber tratar o problema do pós-operatório. Pois para ser bem sincero me pergunto quem já viu qualquer política proibicionista sobre drogas dar certo em qualquer lugar do mundo.
Muitos que hoje falam que quem sustenta o tráfico é o usuário parecem se esquecer do passado. Por tudo que o país já passou nas mãos de políticos corruptos. Dinheiro da educação, saúde, segurança sendo desviado por anos e anos. Faltando escolas, hospitais, uma policia melhor treinada. Por tudo que já vimos e sofremos na mão de pessoas que elegemos com uma idéia de simplesmente manter e organizar a sociedade e suas nuances. Por tudo que falta e ainda maltrata muitos de nós brasileiros, um mesmo povo, uma nação. Realmente parece que quem fala mal desses usuários esqueceu completamente que a poucos anos atrás tivemos o mensalão que abalou o Brasil. E a lógica é simples e direta, se tem a mais no bolsos deles, em algum lugar está faltando.

No final de tudo só queria saber quando vai existir a coragem para vestir a camisa de brasileiro e não a do dinheiro. Quando todos vão parar de obedecer a elite e se preocupar com o povo como uma nação que somos. Quando vamos olhar para nós mesmo e assumir nossos erros e não culpar os outros pelos nossos atos, ou pelos nosso s equivocados votos.



Pedro Couto de Queiroz ou @Coutgrove

14 comentários:

Gustavo Afiune disse...

Como assim? Poder elitista? O mesmo poder elitista que proporcionou a possibilidade de você cursar uma faculdade federal?

Parei de ler quando chegou nesse ponto.

Falar de elitismo é no mínimo hipocrisia e um tanto quanto atrasado.

Pseudo-esquerdismo de universidade detected...

Dani disse...

É muito tenso pensar a respeito do que você "financia". Se compra lápis de madeira imprópria, financia o desmatamento. Se vê pornô financia uma indústria negra de prostituição de mulheres. Se compra maconha financia o crime?

Então, a solução seria voltar a subsistência?

The Fog Bros. disse...

Gustavo Afiune

soh para te falar se tivesse lido o texto inteiro vai ver que estou falando eh do passado mesmo que nos levou ateh onde estamos agora...
entao antes de falar alguma coisa leia o texto por completo.

quem marginalizou o povo foi quem? o proprio povo...logico neh...pq eh isso que as pessoas querem para si...
vou nem comentar o Pseudo-esquerdismo que nao me baseio em estar contra ou a favor do governo...estou contra ou a favor de acoes de governos e governos...o que fizeram com as favelas do rio nada mais foi que descaso...que marginalizacao...

Gustavo disse...

Opa, minha pornografia é só em DVD original ou de sites, tem nada de ilegal nisso! kkkkkkkkkkkkkkk

Gustavo disse...

Grande Pedro,
na verdade li o texto todo sim, foi só força de expressão.

Mas vejo que é mais descaso realmente, não da classe "dominante"), mas de incompetência gerencial de governos e políticos.

Exemplos de outros países que possuem a mesma "elite" desenvolveram a sociedade com um todo, e não só uma parte.

Dani disse...

AHAUHAUHAUHAUHA O magnata tem grana pra comprar original! Eu fico com o Redtube! LoL

Dani disse...

Dois caras inteligentíssimos conversando! Acho isso lindo. :D

Gustavo disse...

Só me considero inteligente por gostar (\o/ redtube) de pornografia, porque o resto não passa de palpites!
kkkkkkkkkkkkkkkkk

The Fog Bros. disse...

Gustavo,

e esse descaso para com o povo num seria pq o governo durante muitos anos soh pensava em agradar a elite?

Dani disse...

Bacana esse texto do Hempadão: http://hempadao.blogspot.com/2010/11/ed-91-bong-solucao-e-policia-ou-policia.html

Gustavo disse...

Sim, até certo ponto é verdade.

Mas em algum momento da história nós perdemos o link. O mesmo link que possibilitou as economias desenvolvidas a gerar renda como um todo. O tal jeito brasileiro é uma questão cultural e que provoca que não pulemos esse estágio.

Vejo que no Brasil é muito mais um problema de educação básica do que favorecimento de uma classe.

O surgimento do narcotráfico não é decorrente do favorecimento de uma classe ou outra, principalmente por não conter nenhuma posição política, mas da falta de repreensão e da vontade de alguns de lucrar ilicitamente, inclusive pessoas da elite que fazem parte desse meio. É oposto das FARC, que começou como oposição política e passou para a bandidagem.

Agora, realmente, a marginalidade
(no contexto de pessoas não contarem com a garantia básica do estado) é um problema sério, mas grande parte vive de forma justa e honesta, apesar de alguns deslizes.

The Fog Bros. disse...

viver de forma honesta e justa, mas na miséria, ou abaixo da linha a miséria, só por medo de morrer na mão de policais corruptos que apoiaram o trafico não é viver né?

e sim existem pessoas que querem lucrar de forma ilicitas simplesmente por quererem isso, mas grande parte se envolve no tráfico por simples falta de oportunidade. O basico que o governo deveria ter dado, nunca deu.

Se você parar para prestar atenção vai lembrar que quandos os negros foram libertos não tinham nem para onde ir. Foram marginalizados e ainda vistos como escravos. Se você liberta alguem que não tinha nada só um DONO...e não ajuda em nada o que esse cara vai fazer para sobreviver num mundo que exige capital?

Daniele disse...

Os nossos cantores e jogadores de futebol a maioria fuma unzinho. Se compramos os discos deles ou vamos aos estádios, nós financiamos o tráfico?

bruh f. disse...

Acho que não financiamos comprando cd de quem fuma um, já que ele usaria tendo, ou não tendo dinheiro.
Vide usuários de crack.